Boletim epidemiológico: Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho no Brasil, 2006-2017

0
325

Os transtornos mentais são comuns, impactam na vida laboral e social das pessoas e suas famílias, repercutindo no bem-estar, além de representar custos expressivos para os sistemas de saúde e previdência, bem como outros programas de proteção social em todo o mundo. Esses transtornos têm determinação complexa e multifatorial, que envolve a dimensão biológica e seu componente genético, a dimensão social, como a pobreza, moradia e vizinhança, gênero, dentre outras, e acesso ao cuidado e desenvolvimento de resiliência, como a educação e apoio social. O trabalho é um importante determinante social da saúde em geral e, especialmente, da saúde mental. São conhecidos vários estressores ocupacionais relacionados à organização do trabalho, como a sobrecarga e desequilíbrio na divisão de tarefas e poder, que podem dar lugar ao assédio moral, dentre outras formas de violência. A exposição ao ruído excessivo e a agentes químicos, como os agrotóxicos, pode resultar em agravos neurológicos e psíquicos.

A associação do trabalho com transtornos mentais é alvo de muitos estudos, que recomendam proteção especial dos trabalhadores expostos a fatores de risco e já afetados, como os afastamentos laborais com benefícios acidentários da Previdência, acesso a cuidados à saúde, medidas coletivas de prevenção, dentre outras. Entretanto, o nexo ocupacional desses agravos é ainda pouco investigado, reconhecido e raramente registrado. No SUS, transtornos mentais associados ao trabalho são de notificação compulsória no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), cujos registros foram analisados e apresentados nesse Boletim. Evitou-se estimar medidas como a incidência pelo pequeno número de registros que implicaria em resultados muito subestimados.

Deixe uma resposta