Centrais entregam em Brasília pauta aos candidatos à presidência do Senado

0
77

Representantes da centrais sindicais entregaram aos candidatos à presidência do Senado, em Brasília, a pauta emergencial da classe trabalhadora de combate à crise e à pandemia. Sindicalistas também já entregaram, na semana passada, documento aos candidatos a presidência da Câmara Federal

No Senado, a disputa gira em torno da senadora Simone Tebet (MDB-MS) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Este, apoiado pelo atual presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e pelo presidente Bolsonaro. A eleição está prevista  para 1º de fevereiro.

“Lutamos pela vida, pela saúde, pelo emprego e renda e pela solidariedade às populações socialmente mais vulneráveis neste período de pandemia”, diz Miguel Torres, presidente da Força Sindical, da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos) e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes. Os sindicalistas também relataram sobre o problema da Ford, que anunciou o fechamento das fábricas no País.

O líder sindical destacou a importância do auxílio emergencial, a questão da geração de empregos e da vacinação para todos. “Queremos mostrar que o movimento sindical tem propostas e quer um Brasil mais justo. Por isso, estamos entregando aos candidatos, tanto da Câmara, tanto do Senado, a pauta da classe trabalhadora de combate à crise”, ressaltou Miguel Torres.

A agenda contém 5 itens e já foi entregue aos candidatos que disputam a presidência da Câmara. Eis a pauta na íntegra:

1) Vacina já para todos. Exigir um plano nacional de vacinação, universal e público, estruturado a partir do Programa Nacional de Imunização do SUS (Sistema Único de Saúde), integrando e articulando os entes subnacionais (estados e municípios) e o setor privado, num esforço coordenado para uma execução segundo as prioridades estabelecidas pelo setor de saúde.

2) Manutenção do Auxílio Emergencial e Proteção dos Empregos/Salários. Prorrogar durante a pandemia o Auxílio Emergencial de R$ 600 e as medidas para pagamento dos salários dos trabalhadores com contrato suspenso ou com redução de jornada de trabalho.

3) Mais empregos. Articular e implementar medidas com o objetivo de gerar empregos e renda para os milhões de desempregados. Essas medidas devem incluir: a retomada das milhares de obras paradas; a recuperação imediata dos investimentos públicos em infraestrutura econômica e social e mobilizar investimentos privados; apoiar as micro, pequenas e médias empresas; usar o poder de compra governamental para estimular atividade produtiva e gerar/proteger empregos; recuperar e fortalecer o Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda para fazer intermediação de mão de obra, formação profissional e ampliar a proteção do seguro-desemprego; apoiar as inciativas da economia solidária, do cooperativismo e da agricultura familiar; apoiar medidas de prefeituras e governos estaduais para gerar empregos de emergência com proteção social.

4) Campanhas de solidariedade. Diante da gravidade da crise e dos desmandos do governo federal, é fundamental que toda as entidades sindicais mantenham as campanhas de ajuda solidária, em especial aos mais necessitados, assim como coloque sua estrutura a serviço do sistema nacional de vacinação em cada localidade.

5) Fortalecimento da organização sindical e da negociação coletiva! Recuperar a capacidade de atuação da estrutura sindical, inovando na organização, formas de luta e nas proposições, para uma atuação condizente com os desafios decorrentes das mudanças no mundo do trabalho, com entidades representativas, com ampla capacidade de negociação e saudável sustentação.

Fonte: DIAP
Imagem ilustrativa.

Deixe uma resposta