Bauru terá paralisação dia 30 de junho contra as reformas trabalhista e da previdência

0
789

Centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais convocam os trabalhadores para manifestação em frente à Câmara Municipal de Bauru

Apesar da crise do governo Michel Temer, que só se agrava, as reformas Trabalhista e da Previdência Social seguem tramitando no Congresso. Por isso, Centrais Sindicais, Sindicatos e movimentos sociais convocam os trabalhadores de Bauru para novamente ir às ruas numa paralisação no próximo dia 30 de junho contra as propostas de reformas que retiram direitos trabalhistas.

Em Bauru, a manifestação começará às 6h do dia 30 em frente à Câmara Municipal. A decisão saiu na reunião preparatória do movimento, realizada nesta quinta-feira (22/06/2017) no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas de Bauru e Região (STI Bauru), e que contou com a participação de 20 dirigentes sindicais e de centrais sindicais.

Na próxima terça-feira, 27 de junho, os representantes dos sindicatos voltam a se reunir para acertar os últimos detalhes do movimento. Mas já estão programadas panfletagens e outras mobilizações para convocar os trabalhadores a participar do ato de 30 de junho. O objetivo é pressionar os políticos em Brasília para que as reformas Trabalhista e da Previdência Social sejam rejeitadas. “Apesar de toda essa crise que o governo Temer vive, as reformas estão tramitando, não foram retiradas da pauta. Temos de agir enquanto há tempo. Por isso, chamamos todos os trabalhadores para participar do ato e, assim, mostrar sua indignação com essa investida do governo que tem como principal objetivo retirar direitos trabalhistas duramente conquistados ao longo dos anos”, afirma Vanderlei Aparecido Oliveira, 1º tesoureiro do STI Bauru.

De Bauru, além da diretoria do STI Bauru, participaram representantes da Força Sindical, da CUT e dos sindicatos dos Hoteleiros, da Construção Civil, dos Jornalistas, da Alimentação, dos Papeleiros, dos Condutores, dos Funcionários do Sistema Prisional, dos Servidores Públicos no Sistema Prisional, dos Trabalhadores em Sistemas Eletrônicos de Segurança, dos Autônomos do Comércio e em Empresas de Assessoramento, dos Professores (Apeoesp) e do Sindicato dos Químicos de Ipaussu.

Fonte: Imprensa do STI Bauru.

Deixe uma resposta